Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Março, 2011

fiz silêncio pra te ouvir

então tudo emudece outra vez, o som se esvai suavemente para que eu possa me concentrar em meus pensamentos, para que eu posso refletir, me confundir, me resolver. olho ao redor, os carros, as casas, os pássaros, tudo completamente quieto. eles se movem, porque nem a vida nem o tempo param para mim, mas não emitem barulho nenhum, nenhum badalar de sino das 6 para me lembrar que é hora de partir, nenhum relógio da igreja, nenhum tempo. não pra mim aqui, escutando a batida de meu coração, pensando na maneira como você fechava e abria aos olhos ao suspirar antes ou depois de um beijo, aquele dos longos. penso nisso, e apesar da dor, eu sorria ao lembrar. hoje não, hoje meus lábios não se movem nem para isso, calaram. deixo que me contem como tem passado, deixo que me digam e me peçam conselhos, deixo pra falar de mim, falando com outros. não confesso minhas verdade nem uso o meu ou teu nome, só repito, o que eu sempre ordenei aos meus pés, mas estes não escutaram, tão acostumados ao sile…

o telefone toca

e eu fico me perguntando, se ainda sou sua razão para viver, se você ainda sorri quando pensa em meu nome, se ainda lembra, e por isso esta aqui. me questiono se minhas escolhas são corretas, porque o irremediável futuro esta sempre presente em minhas palavras, e o meu hoje, meu agora, a ti é dado. penso que seria mais fácil viver só. sobreviver nunca me agradou, e constantemente me irritava essa normalidade de quem vive a procura de nada, mas isso me convém. meus critérios são os mesmos, minhas vontades mudaram, mas ainda me permito errar, pecar, amar. ainda me permito pensar em você. até porque, você sem essa permissão, acaba por assombrar meus pensamentos, e é isso que me torna real, a sua falta. andei me perguntando se você ainda pensa em mim, como eu era antes. se ainda julga o nosso amor como predestinação, ou hoje este é maldição silenciosa pelo fato de que minha presença consentida é muito melhor do que o repudio vindo do teu coração. gosto disso. gosto da verdade. gosto de se…

Tanto que forjei asas nos seus pés, ondas pra levar

eu sei que vai lembrar do céu naquela tarde em que te fiz chorar, vai guardar as cores, as ondulações das nuvens, o vento naquele exato momento. vai forçar a memória em meu rosto, mas esta falhará. pouco tempo você me fitou nos olhos, por muito segurou minhas mãos. mesmo nos últimos suspiros de nosso enredo, quis teus dedos entrelaçados aos meus, pensei em não me esquecer das medidas de sua palma, dos nós, a unha sempre roída, a forma como deixava a pele encontrar na minha, mãos finas o suficiente para sentir a pulsação, de nós dois, ainda em sintonia. "Eterno, é tudo aquilo que dura uma fração de segundo, mas com tamanha intensidade, que se petrifica, e nenhuma força jamais o resgata" como disse Drummond, por isso tentei memorizar o máximo de reações possível, a forma como tudo desabrochava como num botão em flor, só que o tempo não me foi suficiente. assim como você, forçarei a memória, enxugarei algumas lágrimas e prosseguirei a cada dia, me assustando com a possibilidade…

:T

Ela sobre ele: Acho ele tão mal educado, egocêntrico, antipático e canalha. Faz piadas idiotas em momentos inapropriados. Odeio quando ele puxa meu cabelo, me trata mal, ignora o que eu falo porque está jogando video game. Ele só sabe reclamar das minhas atitudes, detesto a arrogância que usa quando fala comigo. Não gosto daquele cabelo bagunçado e nem da forma que ele se veste. E é por isso que eu não quero nada com ele.

Ele sobre ela: Ela é chata, egoísta e mimada. Demora mais pra combinar uma maldita saia com um sapato do que Deus demorou pra criar o mundo. Nunca abre a boca pra me elogiar, só sabe destacar os meus defeitos e esfrega meus erros na minha cara toda vez que tem a oportunidade. Odeio o tom de ironia que ela usa comigo, ou quando censura o meu estilo. E é por isso que eu não quero nada com ela.

Os outros sobre os dois: Se você olhar nos olhos dela, vai ver que ela é louca por ele. Se você olhar nos olhos dele, vai ver que ele faria qualquer coisa por ela. Eles tem química…

Todo carnaval tem seu fim

saíram os dois, um em cada canto da avenida movimentada e colorida de segunda feira. muito barulho, muita confusão, muita gente sozinha, inclusive eles, desconhecidos um do outro, procurando encontrar-se secretamente. como nos sonhos de criança que sai no quintal de casa com anseios secretos por magia, esperando encontrar fadas, princesas, portais para lugares encantados, essas coisas que fogem da realidade mas que mesmo assim alimentam nossa imaginação. andaram um em cada calçada, olhando fixamente para frente, enfiaram na cabeça que o horizonte é o importante, esqueceram-se de olhar ao redor. tem em mente cigarros, casos antigos e promessas que fizeram no ultimo verão, mas o momento ali presenciado passa como oxigénio nos pulmões, naturalmente transitório, mortalmente esquecido. o bloco passa pelos dois, e os lábios não esboçam sorriso, nem desdém, simplesmente observam os outros, o que é uma terapia melhor do que olhar para si mesmo. uma moça fantasiada de Pierrot recita atrás da m…

no silencio de um abraço

percebo que a vida acontece assim, em momentos em que não nos damos conta, o vazio transborda e você é envolvida por braços que não são os teus, mas que poderiam vir a ser, sem problema algum, pois o sentimento ali presente te torna dona, merecedora, e livre para receber o aconchego do abraço de quem te ama. tenho vivido dias curtos, saído com expectativa de nada, e voltado exatamente assim, de mãos abanando. essa busca vã por reencontro, recomeço, reconciliação, só me leva ao precipício. esse delírioinútil de que algum dia, na monotonia de um sábado a tarde, o telefone possa tocar ou num devaneio mais profundo, a campainha. dizem que compreendemos o amor apenas por um olhar, e sim, acho viável, porém a expectativa do amor em olhos estranhos torna dolorosa a procura pelo que se deseja. desisti disso tudo. fico então com o simples, prático. amar e ser correspondida. o projeto amor nascido em meu peito pode vingar e espero ansiosamente que aconteça, porque todos nós sabemos que não há n…