Pular para o conteúdo principal

Reflexão


Nós seres humanos temos mania de dominação, queremos o controle de tudo e todos e o escape disso nos frusta, entristece, nos faz sofrer. Acontece que nem sempre algumas escolhas dependem da gente, acontece o tempo, acontece a idade, acontece o destino e as vezes não acontece. Muitas vezes me pego mapeando meus próprios passos, prevendo as minhas próximas pegadas e torcendo pra tudo sair nos conformes, mas nada nunca sai do jeito que queremos. Com as responsabilidades coube-me o amadurecimento e através deste parei de tentar prever, a vida me surpreendeu tantas vezes que as certezas do caminho deixaram de ser prioridade. Ando olhando adiante sempre, mas o problema dos planos é que algumas vezes não aproveitamos o presente por conta do futuro, nos contentamos com o fato de que logo tudo que está acontecendo seja bom ou mal vai acabar se esvaindo e sendo apenas transição, nada mais. Acontece que percebi com o passar dos dias que o casulo também é importante, para que se forme algo novo e perfeito é preciso passar por etapas, superar alguns obstáculos e dar atenção ao que se tem na mão. Não tenho vergonha de dizer que sou uma pessoa apaixonada, indecisa e confusa, admiro tanto o por do sol quanto posso admirar alguém, o calor do tempo, um abraço de despedida, um sorriso de bom dia, não passam mais desapercebidos pela minha existência. A gente começa a dar valor quando perde, mas aprendi a apreciar o que tenho hoje, plantando para colher bons frutos, mas sem ansiedade quanto ao que o futuro me reserva. O amanhã vai ser como tem que ser, suar para tentar moldar isso é perda de tempo. Não estou tentando domar minha vida como antes faria, é mais fácil ser paciente na inconstância do que correr para tão longe da minha realidade que a vida acaba turva, cega. Deixo ser o que há de vir, vou estar aqui esperando o acaso acontecer, deixa ser como será.



Thamara, 2013.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conto: A aventura no Oriente. Capítulo 2: Em busca da menina perdida

Enquanto sou interrogada pelo dono do Iate, conto mentalmente 7 homens usando vestimentas tradicionais imaculadas e o meu inquisidor de bermuda e chinelo. Devo ter deixado transparecer um sorriso, pois o rapaz me perguntou qual era a graça e porque o estava ignorando? Respondi: Porque esses homens estão usando batas e você não? Minha voz pareceu bem menos corajosa assim que saiu da boca, o arrependimento veio de imediato. Que forma terrível de começar uma conversa, mas para minha surpresa, não fui repreendida. 
Mr. Calvin respondeu " Você gosta?  São os costumes locais. Não se chama bata, chama kandoora! Estou disposto a responder todas as suas perguntas moça, mas teremos que ir até o meu escritório. " 
Me levantei do cais e ali deixei só as marcas das minhas pegadas na areia. Pensei que aquilo seria a última pista sobre mim na vida e logo o vento apagaria. Aceitei o convite do anfitrião, eu não tive muita escolha. Atravessando o quintal reparei na piscina gigantesca em forma …

Por Favor

por trás de olhos que não se vê, você descobre a cor do próprio paraíso.
o inferno que guarda toda vez que o vê, toda vez que o sente.
eu quero pular em seu pescoço e dizer que não era pra ser diferente, que é assim que é
mas eu não quero, prefiro economizar minhas energias para o depois, para a boa vinda do amanhã.
eu quero água escorrendo dos seus olhos enquanto me observa chegar, e um suspiro que eu possa entender quando sua mão tocar a minha.
o meu silencio dói e meu peito repele uma explosão toda vez que você chega perto.
você poderia parar e ver isso, por favor, você pode observar, porque até mesmo os tolos intendem, até eles riem das minhas marcas, será que você pode perceber ?
não existe amanhã querido, se o meu hoje desmoronar.

ThamaraMorgan_por favor não o faça.

Conto: A aventura no Oriente Capitulo 1: Fazendo novos amigos

Eu viajava pela Asia, nas regiões das kastas mais menosprezadas pela cultura local. Escolhi aquele nicho pois sabia que lá poderia encontrar uma história interessante e explorar os aspectos sócio-culturais dos Emirados Árabes. Andando pelas vielas, me deparei com uma placa escrita em Inglês "Loja de Artefatos Madame Khalil", decidi subir as escadas vermelhas e cheguei a uma espécie de salão com paredes amarelo ovo.
O lugar era repleto de coisas, texturas e formas. Eram cabideiros com roupas volumosas e muito brilho. Mal tive tempo de fuçar nas louças decorativas quando fui interrompida bruscamente por uma menininha mal humorada. Lathifa estava vestindo um vestido de pano de saco, totalmente contrastante com aquele lugar, tinha os cabelos pretos com cachinhos na ponta e um olhar penetrante de uma boneca que nunca piscava. A pequena parece ter me dado uma bronca em seu idioma, quando não respondi, ela trocou algumas palavras tipo "não toque se não for comprar". Logo i…