Pular para o conteúdo principal

Borboleta embriagada


Os dias são corridos demais, as semanas passam e as coisas cotidianas acabam turvando nossa visão de nós mesmos, do lugar que pertencemos e as vezes até de quem somos. Acabamos então nos transformando em robôs, meros fantoches do dia-à-dia, fazendo parte da massa geral, um número, um contato, um individuo sem nome fazendo parte das estatísticas . Acontece que venho pensando nas coisas que a gente não vê, em pessoas que estão em meu coração a tanto tempo pegando poeira que eu nem me lembro mais de saber como está, alguém que marca presença as vezes em palavras, comentários mas não em matéria, um fantasma presente nas paredes da sala tão conveniente como um quadro emoldurado, nada mais.

Fiz mentalmente uma lista das musicas que me lembravam vocês, das fotos que queria te mostrar e de coisas que não sei se você sabe de mim e através dessas revisões acabei me percebendo, passamos tanto tempo embriagados e fora de nós mesmos que nem nos conhecemos, e acabamos convivendo com um intelecto desconhecido, um estranho em nossa casa. Esse inconsciente que eu chamo de meu desperta as vezes em sonho ou mesmo em bares da esquina, mas quem eu sou de verdade até eu mesma esqueço, mudo identidade e natalidade, pergunto coisas sem se quer esperar por resposta, fingindo querer saber pro silencio se quebrar. As coisas que realmente queria conversar não digo, pois não são do interesse de ninguém se não apenas meu e um dia pode ter pertencido também a outra pessoa, mas as manchas no passado apagaram essa vontade de saber, essa vontade de contar, lavaram tudo a não ser as memórias. O que eu queria lhe falar era que nem sempre fui assim fria e amarga, houve um tempo que qualquer bobagem me tirava o riso e outra devolvia de forma rápida, a vida tinha mais rodeios mais nós a serem desatados, ou será que ainda tem e eu apenas deixei de reavê-los ? O que me levou a essa indagação floresceu em uma mesa de café, ouvindo as inúmeras estórias de minha vó que veio à me lembrar de quando pequena adorar borboletas. Dizia ela e pude assim me lembrar que numa manhã de primavera assisti esse pequeno inseto desabrochar de um casulo, não satisfeita com o nascimento da ninfa tive que tira-la para dançar. Com delicadeza coloquei a borboleta nas mãos e a levei para "conhecer o mundo", que tolice a minha. Mostrei as arvores, as flores, o sol .. e tudo que havia no jardim, uma guia turística empenhada e sem muitos conhecimentos científicos na época do que realmente vinha a ser viver. Só que para se viver 24horas o quintal da minha casa bastava e as vezes penso que ainda basta. O tempo que aproveitamos vem das coisas às quais nos dedicamos e pensamos, não adianta gastar suor construindo quem você é por fora se a vida continua bagunçada por dentro.

Thamara Morgan

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Por Favor

por trás de olhos que não se vê, você descobre a cor do próprio paraíso.
o inferno que guarda toda vez que o vê, toda vez que o sente.
eu quero pular em seu pescoço e dizer que não era pra ser diferente, que é assim que é
mas eu não quero, prefiro economizar minhas energias para o depois, para a boa vinda do amanhã.
eu quero água escorrendo dos seus olhos enquanto me observa chegar, e um suspiro que eu possa entender quando sua mão tocar a minha.
o meu silencio dói e meu peito repele uma explosão toda vez que você chega perto.
você poderia parar e ver isso, por favor, você pode observar, porque até mesmo os tolos intendem, até eles riem das minhas marcas, será que você pode perceber ?
não existe amanhã querido, se o meu hoje desmoronar.

ThamaraMorgan_por favor não o faça.

Conto: A aventura no Oriente. Capítulo 2: Em busca da menina perdida

Enquanto sou interrogada pelo dono do Iate, conto mentalmente 7 homens usando vestimentas tradicionais imaculadas e o meu inquisidor de bermuda e chinelo. Devo ter deixado transparecer um sorriso, pois o rapaz me perguntou qual era a graça e porque o estava ignorando? Respondi: Porque esses homens estão usando batas e você não? Minha voz pareceu bem menos corajosa assim que saiu da boca, o arrependimento veio de imediato. Que forma terrível de começar uma conversa, mas para minha surpresa, não fui repreendida. 
Mr. Calvin respondeu " Você gosta?  São os costumes locais. Não se chama bata, chama kandoora! Estou disposto a responder todas as suas perguntas moça, mas teremos que ir até o meu escritório. " 
Me levantei do cais e ali deixei só as marcas das minhas pegadas na areia. Pensei que aquilo seria a última pista sobre mim na vida e logo o vento apagaria. Aceitei o convite do anfitrião, eu não tive muita escolha. Atravessando o quintal reparei na piscina gigantesca em forma …

Conto: A aventura no Oriente Capitulo 1: Fazendo novos amigos

Eu viajava pela Asia, nas regiões das kastas mais menosprezadas pela cultura local. Escolhi aquele nicho pois sabia que lá poderia encontrar uma história interessante e explorar os aspectos sócio-culturais dos Emirados Árabes. Andando pelas vielas, me deparei com uma placa escrita em Inglês "Loja de Artefatos Madame Khalil", decidi subir as escadas vermelhas e cheguei a uma espécie de salão com paredes amarelo ovo.
O lugar era repleto de coisas, texturas e formas. Eram cabideiros com roupas volumosas e muito brilho. Mal tive tempo de fuçar nas louças decorativas quando fui interrompida bruscamente por uma menininha mal humorada. Lathifa estava vestindo um vestido de pano de saco, totalmente contrastante com aquele lugar, tinha os cabelos pretos com cachinhos na ponta e um olhar penetrante de uma boneca que nunca piscava. A pequena parece ter me dado uma bronca em seu idioma, quando não respondi, ela trocou algumas palavras tipo "não toque se não for comprar". Logo i…